Cientistas elegem top 10 de espécies recém-descobertas

Cientistas elegem top 10 de espécies recém-descobertas

13 3090

Especialistas do Instituto Suny College of Environmental Science and Forestry, nos Estados Unidos, criaram, recentemente, o top 10 de espécies descobertas pelo mundo nos últimos 12 meses. A lista, encabeçada por uma das principais instituições voltadas para a ciência ambiental, é publicada desde 2008 e explica detalhadamente quais motivos levaram os cientistas a escolherem as espécies para a relação.

Segundo a instituição, de 2014 até agora, foram descobertas mais de 18 mil novas espécies, entre animais e plantas, ao redor do mundo.

Veja a lista abaixo:

‘Torquigener albomaculosus’

Torquigener albomaculosus
(Foto: Yoji Okata/Suny College)

O peixe ‘Torquigener albomaculosus’, endêmico do Japão, produz “desenhos” circulares no fundo do mar com cerca de dois metros de diâmetro. Os círculo,s que já eram estudados antes da descoberta da espécie, são feitos pelos animais para atrair as fêmeas na época da reprodução.

‘Phryganistria tamdaoensis’

Phryganistria tamdaoensis
(Foto: Bruno Kneubühler/Suny College)

‘Phryganistria tamdaoensis’, endêmico do Vietnã, é uma nova espécie de bicho-pau que chega a medir 23 centímetros de comprimento.

‘Dendrogramma enigmatica’

Dendrogramma enigmatica
(Foto: P.B Pelser/J. F. Barcelona/Suny College)

A ‘Dendrogramma enigmatica’, encontrada na Austrália, é uma espécie de animal multicelular que se assemelha fisicamente a um cogumelo. O corpo é uma haste de 8 milímetros com uma extremidade em forma de disco e uma boca em uma das pontas. Os cientistas ainda não sabem se o animal faz parte do filo dos Cnidários, dos Ctenóforos, ou se pertence a um filo novo.

‘Phyllodesmium acanthorhinum’

Phyllodesmium acanthorhinum
(Foto: P.B Pelser/J. F. Barcelona/Suny College)

Encontrada também no Japão, esta é uma lesma do mar que é considerada o “elo perdido” entre as lesmas que se alimentam de corais e as que comem outros invertebrados marinhos.

‘Cebrennus rechenbergi’

Cebrennus rechenbergi
(Foto: P.B Pelser/J. F. Barcelona/Suny College)

Esta espécie de aranha, encontrada no deserto do Marrocos, chamou a atenção por conta de sua habilidade de defesa que consiste em rolar quando se sente ameaçada, dobrando assim a sua velocidade de fuga.

‘Anzu wyliei’

Anzu wyliei
(Foto: P.B Pelser/J. F. Barcelona/Suny College)

 

Este é um dinossauro emplumado descoberto nos Estados Unidos e que ficou conhecido como “Galinha do Inferno”. A espécie era carnívora, tinha um bico semelhante ao dos papagaios e chegava a medir 1,5 metros.

‘Limnonectes larvaepartus’

Limnonectes larvaepartus
(Foto: P.B Pelser/J. F. Barcelona/Suny College)

Encontrada na Indonésia, esta espécie de rã é destaque entre as demais por conta de uma característica peculiar: em vez de por ovos, ela é capaz de dar a luz a girinos que são diretamente depositados diretamente na água. Estes animais tem cerca de 4 centímetros.

‘Deuteragenia ossarium’

Deuteragenia ossarium
(Foto: P.B Pelser/J. F. Barcelona/Suny College)

Esta vespa, endêmica da China, se destacou por sua estratégia de proteção a prole. Ela deposita aranhas mortas ao redor do seu ninho para alimentar os ovos e depois sela a entrada do ninho com formigas mortas, formando uma barreira química.

‘Tillandsia religiosa’

Tillandsia religiosa
(Foto: P.B Pelser/J. F. Barcelona/Suny College)

Esta bromélia, capaz de atingir 1,5 metros de altura, é conhecida a muito tempo por povos do México que a usam como peça para construção de presépios no Natal. Porém, apenas no ano passado os cientistas descobriram que a planta ainda não havia sido descrita. Ela tem espinhos rosas e seu habitat são o alto de montanhas localizadas ao norte do País.

‘Balanophora coralliformis’

Balanophora coralliformis
(Foto:(Foto: P.B Pelser/J. F. Barcelona/Suny College)

Considerada em risco de extinção logo após ser descrita, esta planta parasita foi encontrada nas Filipinas, têm aparência de Coral e vive a 1500 metros de altitude. O motivo para o risco de extinção, segundo os cientistas, é por a área que a planta foi encontrada não ser protegida.

13 COMENTÁRIOS

Deixe uma Resposta