Os axolotls (Ambystoma mexicanum) são pequenas salamandras conhecidas em diversas partes do mundo, principalmente, por conta da sua aparência peculiar. Estes animais, que medem entre 15 e 45 centímetros, não se desenvolvem na fase de larva e isso os rende a aparência chamativa.

Reprodução/ Stephen Dalton/Animals Animals—Earth Scenes

Estes animais também possuem grande habilidade quando o quesito é regeneração. Estudos já comprovaram que o animal pode se regenerar tanto que no caso de perder um membro ou sua cauda, consegue criar um completamente novo.

Os axolotes possuem características típicas do estado larval das salamandras, incluindo brânquias externas e barbatanas caudais desde o final da cabeça prolongando se por toda a extensão da cauda. Isso ocorre porque esses anfíbios apresentam tireoide rudimentar e não há liberação de hormônios tireoideanos, essenciais na metamorfose de anfíbios. Quando um axolote recebe hormônio tireoideano, transforma-se em animal adulto com caracteristícas terrestres: pulmão e patas e perda da cauda por reabsorção, tornando-se muito similar à salamandra-tigre (Ambystoma velasci).

Reprodução/Friedrich Schiller/University in Jena

As cabeças deles também são amplas e possuem olhos sem pálpebras. Os machos são identificáveis apenas na época de reprodução pela presença de cloacas muito mais pronunciadas e de aspecto redondo.

Foto: reprodução